Investimento em segurança na construção: uma decisão ética e lucrativa

Os acidentes têm um impacto significativo nos projetos de construção e os empreiteiros não podem dar-se ao luxo de ignorar os fatores de risco. Embora acidentes menores possam causar apenas ferimentos leves e algumas perturbações, um acidente grave pode significar o fim de um projeto ou empresa. As consequências humanas dos acidentes não podem ser quantificadas em termos monetários. No entanto, muitas despesas podem rapidamente chegar a milhares de dólares: serviços médicos, litígios, danos materiais e equipamentos, danos materiais, penalidades por não cumprimento de prazos e até ações judiciais.

Em muitos projetos de construção, procedimentos de segurança são vistos como uma despesa inevitável ou mesmo uma perda de tempo. Quando os empreiteiros investem em equipamentos de segurança e uma atividade é concluída sem incidentes, é possível chegar a esta conclusão errada. No entanto, o custo de não fazer nada é muito superior ao custo da prevenção, e isto foi comprovado por vários estudos e organizações industriais.

Melhore a segurança nos locais do seu projeto com serviços profissionais de gerenciamento de construção.

Os acidentes estão normalmente associados a custos como indenizações trabalhistas, despesas médicas e serviços jurídicos. No entanto, os acidentes de construção também acarretam custos indiretos, como a contratação de pessoal substituto e a implementação de medidas corretivas. Em indústrias de alto risco como a construção, os custos indiretos podem ser várias vezes superiores aos custos diretos.

Comparando custos de segurança na construção com custos de acidentes

construçãoppe

A prevenção de acidentes envolve despesas como equipamentos de proteção individual (EPI), e muitas atividades poderiam de fato ser concluídas mais rapidamente com menos protocolos de segurança. No entanto, a decisão de ignorar a segurança não é ética nem inteligente do ponto de vista empresarial. As vidas dos trabalhadores são colocadas em risco mesmo quando não ocorrem acidentes, e a imagem corporativa pode ser gravemente prejudicada. Além disso, quando acidentes acontecer, enfrentar as suas consequências pode ser muito mais caro do que evitá-las.

De acordo com a OSHA, as empresas norte-americanas pagam mais de mil milhões de dólares por semana em indemnizações aos trabalhadores por lesões incapacitantes e não fatais. A prevenção destes acidentes protege a qualidade de vida dos trabalhadores, ao mesmo tempo que proporciona grandes poupanças aos seus empregadores. Quando se considera o impacto total dos acidentes de trabalho e das mortes no local de trabalho, estes custam cerca de 151 mil milhões de dólares por ano para a economia dos EUA.

O impacto humano dos acidentes também é significativo e excede quaisquer perdas financeiras: só em 2018, o Bureau of Labor Statistics dos EUA reportou 2,8 milhões de lesões e doenças profissionais e 5.147 mortes.

Equipamento de proteção pessoal

Muitas organizações compararam os custos de prevenção com os custos dos acidentes, e não fazer nada é muito mais caro em todos os casos. O Conselho Nacional de Segurança dos EUA entrevistou gestores financeiros e 60% responderam que cada dólar investido em prevenção poupa 2 dólares em consequências de acidentes. A Comissão Europeia chegou a uma conclusão semelhante, estimando que a relação custo-benefício da prevenção de acidentes é de até 2,18 – cada euro investido em segurança rende até 2,18 euros. Finalmente, um estudo do Reino Unido descobriu que as empresas poupam até 3 libras por cada 1 libra investida na prevenção de acidentes.

Os resultados de vários estudos apontam para a mesma conclusão: não fazer nada em relação aos acidentes de construção é 200% a 300% mais caro do que investir em medidas de prevenção. No caso da construção, por ser uma indústria outdoor, o clima também é um fator de risco que não pode ser ignorado: segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), um projeto de US$ 200 milhões perde US$ 250 mil em um único dia de problemas relacionados ao clima. atrasos.

O Conselho Nacional de Segurança estimou que cada lesão ou doença evitada salva o empregador US$ 37.000e cada fatalidade evitada salva US$ 1.390.000. Proteger os trabalhadores é uma responsabilidade ética das empresas, e estas também conseguem grandes poupanças ao fazê-lo. Segundo a Organização Internacional do Trabalho, o impacto dos acidentes de trabalho e dos problemas de saúde é equivalente a 4% do PIB mundial.

A tecnologia pode melhorar a segurança na construção?

Tablet de construção

A Contech ou tecnologia de construção é um campo promissor que poderá evoluir para uma indústria multibilionária antes de 2030. A Contech pode melhorar muitos aspectos da indústria da construção, e isto inclui a prevenção de acidentes.

  • Por exemplo, a tecnologia wearable pode ser usada para rastrear trabalhadores individualmente nos locais do projeto, em todos os momentos. Ao entrarem em uma área perigosa, como o raio de giro de um guindaste em operação, eles podem receber imediatamente uma notificação audiovisual.
  • Os gerentes de construção também podem ser notificados automaticamente e podem dar as instruções corretas para evitar outra situação de risco.

A tecnologia wearable também pode ser usada para impor medidas de distanciamento social durante emergências de saúde como a atual pandemia de COVID-19. Por exemplo, os dispositivos usados ​​podem detectar quando os trabalhadores não estão mantendo uma distância segura e podem ser notificados imediatamente.

A tecnologia também pode ser utilizada para recolher dados do local de forma mais eficaz com formatos digitais, e isto inclui informações sobre riscos no local de trabalho. Por outro lado, quando as fiscalizações são realizadas por meio de formulários impressos, as informações demoram mais para chegar aos tomadores de decisão.

Os acidentes de construção podem ser muito caros e ter um impacto humano que não pode ser calculado. No entanto, a prevenção tem um custo muito menor do que assumir as consequências, e as tecnologias emergentes podem ajudar os gestores de segurança a realizar o seu trabalho de forma mais eficiente.